DESTAQUES

Video do grupo de investigação Biotecnologia Marinha e Aquacultura (MBA)

Todas as segundas feiras, nas próximas 12 semanas, o CESAM vai lançar os vídeos dos seus doze grupos de investigação.   26 de outubro 2020: Biotecnologia Marinha e Aquacultura (MBA)    Próximas datas (podem estar sujeitas a modificação):   02 de novembro 2020: Biologia da Adaptação e Processos Ecológicos (ABEP) 09 de novembro 2020: Sensores Analíticos e Eco-Química Aplicada (ASAEC) 16 de novembro 2020: Toxicologia Aquática e Análise de Risco (ATRA) 23 de novembro 2020: Processos Atmosféricos e Modelação (APM) 30...

ver mais

AVISOS

  • One Health Day @ CESAM

    No âmbito da Linha Temática “Ambiente & Saúde”, o CESAM está a organizar um workshop para comemorar a iniciativa “One Health Day”. O Workshop vai realizar-se no dia 11 de novembro à tarde e englobará duas sessões temáticas e uma sessão de posters. O programa do workshop encontra-se aqui e pretende-se o evento seja presencial (Universidade de Aveiro). No entanto, devido à incerteza da atual situação pandémica pode ser em formato à distância (a confirmação será enviada atempadamente). Para a sessão de posters, qualquer membro do CESAM (integrado ou colaborador - desde alunos de pesquisa a alunos de doutoramento) poderá submeter um resumo até ao dia 13 de outubro às 17 h.  Para submeter o resumo basta enviar um mail para cesam@ua.pt que deve incluir: Título (em inglês); Nome do autor principal e coautores (se existentes); Resumo (em português e inglês com ca. 250 palavras). O One Health Day é uma iniciativa com caracter internacional coordenada por redes de investigação, como a One Health Comission e a One Health Platform Foundation, que escolheram o dia 3 de novembro como o Dia da Saúde Única. O conceito One Health remete à interdependência entre a saúde humana, dos animais e do ambiente. O Workshop será um fórum de debate interdisciplinar na solução de desafios globais que envolvem a saúde humana, animal e ambiental. Pretende-se que este evento permita à academia e ao público em geral discutir um problema atual, as doenças infeciosas emergentes, abordando os microrganismos envolvidos - vírus, bactérias, fungos e parasitas - mas também os fatores envolvidos na incidência destas doenças, nomeadamente, atividades humanas que direta ou indiretamente atingem o ambiente, as alterações climáticas e o uso indiscriminado de antibióticos.  O registo é gratuito mas obrigatório e deve ser feito aqui.

  • Conferência "Lipids in the Ocean" | 05-08 Jul 2021, Aveiro

    Devido à pandemia este evento foi adiado para 2021. Por favor confirme as novas datas aqui.  O Grupo de Investigação Biotecnologia Marinha & Aquacultura (MBA) do CESAM e o Centro de Espectrometria de Massa da Universidade de Aveiro têm o grande prazer de apresentar a 2ª edição da Conferência "Lipids in the Ocean", que será realizada na Universidade de Aveiro, de 17 a 19 de novembro de 2020. O evento é organizado pelo Professora Rosário Domingues do CESAM.  + info: http://lipids2021.web.ua.pt/


NOTíCIAS

  • Membro do CESAM/FCUL denuncia à revista Science o maior evento de envenenamento em massa de abutres no mundo

    Numa carta publicada a 16 de Outubro deste ano, o aluno de doutoramento do CESAM/FCUL Mohamed Henriques com investigadores e conservacionistas internacionais incluindo guineenses, alertam na revista americana Science para o mais letal evento de envenenamento intencional de abutres do mundo, ocorrido este ano. Aconteceu na Guiné-Bissau tendo dizimado mais de 2,000 jugudés (abutres da espécie Necrosyrtes monachus), uma espécie em Perigo Crítico de extinção, segundo a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da UICN. No início de 2020 foram detetados casos massivos de mortalidade de abutres nas regiões de Bafatá e de Gabú, no Leste da Guiné-Bissau, tendo a população local alertado as autoridades guineenses responsáveis pela conservação da biodiversidade e pelos serviços veterinários. Apesar da falta de recursos e das dificuldades inerentes à pandemia da Covid-19, foram enviadas várias equipas para o terreno, de modo a averiguar a causa da mortalidade dos abutres – mais de 2,000 indivíduos, conhecidos no país como jugudés – uma espécie emblemática para os guineenses. Através da pronta reação da Direcção-Geral de Pecuária da Guiné-Bissau, dos Serviços Públicos de Veterinária, da ONG Organização para a Defesa das Zonas Húmidas (ODZH) e do Instituto para a Biodiversidade e Áreas Protegidas (IBAP), com o apoio de diversos especialistas nacionais e internacionais na conservação e investigação de abutres, rapidamente se percebeu que se tratava de um crime ambiental. Os abutres terão sido envenenados propositadamente para remover as suas cabeças para alimentar o comércio ilegal destinado à utilização de várias partes do seu corpo (cabeças, asas, unhas e patas) em práticas de feitiçaria em diversos países da África Ocidental. Segundo Mohamed Henriques, luso-guineense doutorando do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e primeiro autor do artigo, “centenas de cadáveres destes abutres encontravam-se sem cabeça, empilhados e intencionalmente escondidos sob arbustos”. As suspeitas de envenenamento intencional foram posteriormente confirmadas pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa, através das necrópsias realizadas a alguns cadáveres recolhidos no local. “As análises de toxicologia demostraram inequivocamente que a causa de morte foi o envenenamento por metiocarbo, um inseticida vendido sob o nome comercial de Mesurol, que é, entre outros usos, frequentemente aplicado como controle de lesmas/caracóis e que foi recentemente banido na Europa devido à sua toxicidade para a vida selvagem”, indica José Pedro Tavares, Director da Vulture Conservation Foundation, um dos co-autores deste artigo. Diversos habitantes locais confirmaram ainda que foram avistados indivíduos a colocar os iscos envenenados para atrair os abutres. Na carta à revista Science, os autores alertam que a utilização de venenos é responsável por ca. 30% das mortes de abutres no continente africano, e que na África Ocidental, em apenas 30 anos, desapareceram 60 a 70% das populações das várias espécies de abutres. “O jugudé está classificado como em Perigo Crítico de Extinção na Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza, a última categoria antes do nível de extinção. A Guiné-Bissau alberga mais de um quinto da população mundial desta espécie, sendo atualmente um dos países mais importantes para a conservação da espécie a nível mundial”, refere outro dos autores, Paulo Catry, investigador e Professor auxiliar do MARE/ISPA-Instituto Universitário. Na carta agora publicada é realçado que este evento catastrófico representa o desaparecimento de mais de 1% da população mundial desta espécie. Segundo Mohamed Henriques, “em vastas regiões de África, os abutres desempenham uma função essencial para os humanos e para o funcionamento dos ecossistemas. Na Guiné-Bissau, bem como em grande parte da África Ocidental, os jugudés são responsáveis por eliminar uma grande parte do lixo orgânico nas cidades e nas vilas do país, constituindo autênticas brigadas de saneamento na manutenção da limpeza das ruas. O seu papel é assim decisivo para evitar a proliferação de doenças e dos seus possíveis vetores de transmissão, como cães de rua e ratazanas que se alimentam do lixo urbano. Sem estes abutres, a saúde pública poderá estar em sério risco.”. Os autores terminam a carta com uma forte chamada de atenção, alertando que este é um duro golpe para a conservação dos abutres, e que é necessária intervenção urgente. Ações de sensibilização junto das comunidades locais e das autoridades nacionais relativamente à importância na conservação dos abutres, a necessidade da aplicação e reforço das leis contra o envenenamento da vida selvagem e o aumento no controlo do comércio ilegal transfronteiriço de partes de abutres e outros animais para medicina tradicional estão entre as ações identificadas como as mais prioritárias. À comunidade internacional, os autores apontam a responsabilidade de apoiar os países africanos para desenvolver e implementar planos de conservação para evitar, enquanto ainda é possível, a extinção destas aves. A carta pode ser lida aqui (em inglês). [Imagem: Necrosyrtes monachus por Ana Coelho]

  • Investigadores do CESAM/UA elaboram estudo para a União Europeia sobre os impactes do plástico e de microplásticos no ambiente

    O estudo, encomendado pelo Departamento de Política para os Direitos dos Cidadãos e Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu a pedido do Comité de Petições (PETI), versa sobre a crescente utilização de plásticos e no consenso crescente sobre os efeitos ecotoxicológicos destes materiais. O documento discute ainda potenciais estratégias de mitigação e alternativas emergentes, bem como a sua adequação ambiental.   A crescente consciencialização e pressão da opinião pública têm conduzido à elaboração de inúmeras normas, regulamentações e leis, cuja implementação e eficácia são também abordadas na presente publicação, com vista a uma correta contextualização, baseada nas evidências científicas existentes, de futuras iniciativas legislativas, aos níveis local, nacional, regional e, em última análise, Europeu. O estudo é da autoria dos Investigadores do CESAM/UA João Pinto da Costa, Teresa Rocha-Santos e Armando Duarte, estando publicamente disponível aqui (apenas disponível em inglês).

  • Artigo da co-autoria de investigadora do CESAM foi destacado pelo ICES JMS como “Escolha do Editor”

    O artigo “State of art and best practices for fatty acid analysis in aquatic sciences”, da co-autoria de Elisabete da Costa do grupo de investigação do CESAM-UA, Biotecnologia Marinha e Aquacultura (MBA), foi a última seleção do Editor da revista ICES Journal of Marine Science dedicada à análise de ácidos gordos em ciências do meio aquático. Este artigo reviu o estado da arte atual de métodos de análise lipídica no meio marinho e de água doce, desde a amostragem até à análise de dados. O documento apresenta recomendações para boas práticas no campo e apela para a padronização de protocolos e calibração interlaboratorial. A revisão resultou de um workshop técnico que decorreu durante a conferência Lipids in the Ocean (Brest, França, novembro 2018), no qual os autores do manuscrito participaram.

  • Novo projecto: WaderTrack – Seguimento de alta precisão de aves limícolas

    Arrancou a meados de Outubro o projecto WaderTrack, na Reserva Natural do Estuário do Tejo, com o objectivo de implementar um sistema de alta precisão para o seguimento espácio-temporal de espécies de aves limícolas prioritárias. Com o recurso a tecnologia inovadora, serão colocados pequenos transmissores GPS/UHF ultra leves com micro paneis solares (4 a 5 gramas) nestas aves o que irá permitir mapear os seus movimentos ao longo dos ciclos diários e de maré, durante o período de inverno, podendo-se assim: (1) quantificar o grau de conectividade entre habitats intertidais (usados como áreas de alimentação no período de baixa-mar) e supralitorais (usados como refúgio no período de preia-mar); (2) determinar as distâncias de deslocação entre habitats supralitorais e habitats intertidais; e (3) determinar a variação na utilização dos diferentes habitats supralitorais entre o período diurno e nocturno. Esta informação servirá para colmatar actuais lacunas de conhecimento nestas espécies prioritárias, tendo em vista a melhoria do seu estado de conservação, com vista a informar políticas de conservação de biodiversidade, designadamente através da redução dos fatores de pressão e de ameaça actuais e futuras, previsíveis no curto e médio prazo. No enquadramento deste projecto financiado pelo Fundo Ambiental (Ministério do Ambiente e Ação Climática), foram já realizadas três sessões de marcação de aves limícolas em diferentes refúgios de preia-mar, que resultaram na colocação dos dispositivos de seguimento em 15 indivíduos de três espécies. Estes aparelhos irão registar a localização GPS das aves a cada 30-45 minutos, e essa informação será transmitida para antenas receptoras colocadas nos refúgios supralitorais, quando os indivíduos para aí se deslocam em cada período de maré alta. A instalação das antenas receptoras também já foi iniciada e em breve esperamos obter os primeiros dados, que permitirão conhecer em grande detalhe os movimentos destas aves, intimamente ligadas ao Estuário do Tejo. Mais novidades sobre este e outros projectos em @eco_flyway (Twitter).

Financiamento do CESAM: