Building the future by doing more together

SafeApple - Conservação da Qualidade da Maçã de Alcobaça: objetivo resíduos zero
Investigador Responsável - Cláudia Sanchez
Investigador responsável no CESAM - Ana Cristina da Silva Figueiredo
Programa - Grupos Operacionais 01/ Ação 1.1/2016
Período de Execução - 2018-01-02 - 2021-12-31 (48 Meses)
Entidade Financiadora - PDR2020-101-031742
Financiamento para o CESAM - 50667 €
Financiamento Total - 464069 €
Instituicão Proponente - Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária
Instituições Participantes
Universidade de Lisboa
Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, IP
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Instituto Superior de Agronomia
Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional
Associação dos Produtores de Maçã de Alcobaça
Cooperfrutas – Coop. Prod. Frutas e Prod. Hortícolas de Alcobaça, CRL
Campotec IN – Cons. e Transformação de Hortofrutícolas, SA
Frubaça - Cooperativa de Hortofruticultores CRL
Granfer - Produtores de Frutas, CRL
Soati - Sociedade de Agricultura de Grupo, LDA
Frutalcoa - Sociedade de Agricultura de Grupo, LDA

Com o projeto SafeApple, e mediante a utilização de metodologias de vertente mais ecológica, já estudadas e desenvolvidas à escala laboratorial, pretende-se conservar as características de qualidade diferenciadoras da maçã de Alcobaça, durante um período de tempo mais prolongado. Desta maneira, pretende-se também a valorização deste produttoo, dado que a disponibilidade de frutos frescos de elevada qualidade e segurança, durante mais tempo, permitirá aumentar o volume de exportação e conquistar novos nichos de mercado. O objetivo principal consiste na conservação a longo prazo dos atributos de qualidade da maçã de Alcobaça, visando a obtenção de frutos com resíduos zero ao nível da aplicação de produtos na pós-colheita. Para cumprir este objetivo, propõe-se:
1. Avaliar a influência de diversas técnicas culturais e tratamentos de pré-colheita, na resistência do fruto às alterações fisiológicas e patologias, durante o período de conservação, incluindo ensaios de rega, fertilização, aplicação de cálcio, e ensaio de polinização.
2. Aplicar metodologias para a conservação de longa duração (6-8 meses), nomeadamente: atmosferas controladas (AC) e atmosferas controladas dinâmicas (ACD).
3. Aplicar tratamentos de pós-colheita, alternativos aos químicos, tais como: soluções de cálcio, revestimentos bioativos e tratamentos térmicos moderados, quer em ensaios à escala piloto, quer em ensaios à escala industrial.
4. Aumentar o tempo de vida de prateleira. Será avaliada a influência de cada um dos tratamentos aplicados na qualidade dos frutos durante o tempo de prateleira.

De uma forma geral, mediante otimização da aplicação das técnicas culturais pretende-se aumentar a resistência intrínseca dos frutos ao desenvolvimento de patologias e fisiopatias, favorecendo assim a capacidade de conservação dos mesmos. Isto, aliado à utilização de metodologias de conservação alternativas aos químicos, permitirá obter um produto diferenciado, com resíduos zero ao nível de aplicação de produtos na pós-colheita. Todos estes aspetos traduzem-se numa valorização acrescida do produto, devido ao reconhecimento de garantia de qualidade e de segurança por parte do consumidor, o que também permitirá aumentar quotas de mercado e de penetração em segmentos de mercado diferenciados. Pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), integram esta parceria, elementos do Centro de Biotecnologia Vegetal (CBV, CESAM Lisboa, FCUL).


Membros neste projecto

Financiamento do CESAM: