Building the future by doing more together

CliMaStat – Impacto da alteração climática em bivalves e gastrópodes marinhos: disrupção do ciclo de vida por malformação de estatólitos
Investigador Responsável - Susana Galante-Oliveira
Programa - Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico - 2014 (PTDC/AAG-REC/1600/2014)
Período de Execução - 2016-07-01 - 2020-06-30 (48 Meses)
Entidade Financiadora - FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia
Financiamento para o CESAM - 154430 €
Financiamento Total - 169406 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro
Instituições Participantes
Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar
Laboratório Nacional de Energia e Geologia, I.P.


O aquecimento e acidificação oceânica (AAO) são duas das maiores consequências da alteração climática global. Tais processos afetam comprovadamente a química do carbonato na água do mar, ameaçando muitos organismos marinhos que dependem, de forma crítica, da secreção de carbonato de cálcio para a produção de partes duras calcificadas. Os estatólitos são carbonatos não esqueléticos incluídos nos gravirecetores da maioria dos invertebrados, responsáveis pela orientação gravitacional envolvida em muitas respostas comportamentais. Em bivalves e gastrópodes marinhos, estas estruturas são formadas no início da vida e desempenham um papel fundamental nos principais comportamentos larvares como a alimentação, natação, etc. Neste sentido, a malformação dos estatólitos pode impactar a dispersão, a migração e até mesmo a sobrevivência, com potenciais consequências no estabelecimento, reposição e, em última instância, na perpetuação de populações. Além da elevada relevância ecológica, muitas espécies nestes grupos são também recursos alimentares, algumas delas dominantes no panorama mundial da pesca e aquacultura de mariscos reconhecidamente ameaçada pelo AAO. Têm sido reportadas falhas de produção sob acidez aumentada atribuídas à calcificação anormal de conchas, mas a potencial disfunção sensorial por malformação de estatólitos, que é muito provável, nunca foi equacionada. O projeto CliMaStat surge para preencher esta lacuna no conhecimento e para mostrar se e de que forma A MALFORMAÇÃO DO ESTATÓLITO AFETA A FUNÇÃO SENSORIAL DE BIVALVES E GASTROPODES SOB OS CENÁRIOS EXPECTÁVEIS DE AAO, sabendo que uma calcificação anormal dos estatólitos pode induzir alterações comportamentais que afetam os ciclos de vida, as populações naturais, a pesca e a produção aquícola.

Com uma equipa de investigação multidisciplinar, o projeto CliMaStat irá integrar metodologias de domínios tão distintos quanto complementares: biologia, ecologia, fisiologia, geoquímica e física. Esta perspetiva permitirá desenvolver e aplicar uma abordagem integrada, que reúne as múltiplas competências da equipa para a atingir os objetivos propostos e produzir conhecimento científico de relevância global no contexto da alteração climática nos oceanos e dos seus impactos nos ecossistemas e seus serviços.




Membros neste projecto
Carlos Miguez
Investigador
Filipe Miguel Grave Laranjeiro
Bolseiro Investigação
Isabel Benta Oliveira
Bolseira Investigação
Joana Gomes Fonseca
Investigadora

Financiamento do CESAM: