Building the future by doing more together

TraSeafood - Rastreabilidade da Origem Geográfica como uma Via de Valorização Inteligente dos Recursos Marinhos Endógenos
Investigador Responsável - Ricardo Calado
Programa - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização (02/SAICT/2017)
Período de Execução - 2018-06-01 - 2021-05-31 (36 Meses)
Entidade Financiadora - FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia
Financiamento para o CESAM - 239579 €
Financiamento Total - 239579 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro


O projeto TraSeafood tem como objetivo rastrear o local de origem de recursos endógenos marinhos capturados e/ou produzidos ao longo da costa oeste e sudoeste da Península Ibérica com recurso a assinaturas elementares e/ou bioquímicas. Num esforço sem precedentes para desenvolver um quadro integrador para a rastreabilidade da origem geográfica de produtos alimentares marinhos serão consideradas as seguintes espécies: macrófitas marinhas (halófita Salicornia ramossima (espargo do mar) e macroalgas Ulva rigida (alface do mar), Porphyra dioica, P. umbilicalis, Codium tomentosum (chorão do mar)), invertebrados marinhos (Mytilus galloprovincialis (mexilhão), Cerastoderma edule (berbigão), Ruditapes decussatus (ameijoa boa), Crassostrea gigas (ostra do Pacifico), Octopus vulgaris (polvo) e Pollicipes pollicipes (percebes)) e peixes marinhos (Sardina pilchardus (sardinha), Scomber japonicas (cavala), Trachurus trachurus (carapau), Sparus aurata (dourada) e Dicentrarchus labrax (robalo)). A seleção das espécies foi baseada no seu valor comercial e no potencial valor agregado após certificação de origem. A seleção das espécies e dos locais de amostragem foram estritamente alinhados com as recomendações da Comissão de Acompanhamento dos Atores-Chave do projeto, permitindo assim uma transferência efetiva do conhecimento para o mercado, aumentar os benefícios socioeconómicos e assegurar o legado do projeto. As assinaturas elementares serão determinadas através de espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado (ICP-MS), com laser acoplado (LA-ICP-MS) sempre que necessário, enquanto que a lipidómica baseada em MS, nomeadamente MS acoplada a cromatografia liquida de interação hidrofilica com ionização electrospray (HILIC–ESI–MS), será usada para determinar as assinaturas bioquímicas. É expectável que as assinaturas elementares e bioquímicas sejam específicas de cada espécie, únicas para cada local de amostragem, podendo assim ser usadas para a certificação de origem. A variabilidade sazonal e inter-anual das assinaturas serão estudadas, uma vez que podem afetar a discriminação do local de origem. As potenciais alterações nas assinaturas ao longo do tempo de prateleira serão também analisadas, de modo a determinar durante quanto tempo após a colheita a rastreabilidade de origem geográfica pode ainda ser determinada. A relevância das variáveis das assinaturas elementares e bioquímicas serão determinadas através de análises multivariadas, sendo a previsão do local de origem estabelecida através de diferentes métodos de classificação. Ao desenvolver uma metodologia fiável para verificação das denominações de origem pelos mariscadores/produtores ao longo da cadeia de comercialização será possível diferenciar e agregar valor aos espécimes comercializados e expor práticas fraudulentas. A certificação de origem dos produtos alimentares de origem marinha é assim fundamental para alcançar uma valorização inteligente dos recursos marinhos endógenos.




Financiamento do CESAM: