Building the future by doing more together

DEPUROFAGO - Terapia Fágica - Uma Nova Tecnologia para Depuração de Bivalves
Investigador Responsável - Adelaide Almeida
Programa - PROMAR
Período de Execução - 2011-07-01 - 2015-05-30 (47 Meses)
Entidade Financiadora - Fundo Europeu das Pescas (FEP). Programa Operacional de Pescas 2007-2013: Projectos-piloto, Portugal (2011-2013).
Financiamento para o CESAM - 273135 €
Financiamento Total - 273135 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro


O projecto proposto tem como objectivo desenvolver um procedimento eficaz para descontaminar bivalves contaminados com microrganismos, empregando uma combinação de duas técnicas, terapia fágica e depuração. Esta escolha deve-se ao facto dos bivalves estarem implicados em muitos surtos infecciosos, não só por se alimentarem por filtração, mas também por serem apanhados/cultivados em leitos contaminados e serem consumidos crus ou mal processados. Há também a salientar a importância crescente da aquicultura mundial como compensação da progressiva redução das populações naturais de bivalves. Infelizmente, a sua cultura é feita muitas vezes em águas contaminadas por microrganismos patogénicos, incluindo as bactérias multi-resistentes, que são facilmente transmitidas aos bivalves, daí resultando a necessidade frequente de proceder à sua descontaminação através da depuração.Para desenvolver este procedimento, as principais bactérias patogénicas acumuladas no interior de duas espécies de bivalves economicamente importantes (amêijoa e berbigão) serão quantificadas e identificadas e, posteriormente, usadas para seleccionar os fagos mais adequados para a sua inactivação. Será estudada a interacção entre bactérias patogénicas, fagos e factores ambientais, em depuradoras piloto montadas para o efeito, de forma a desenvolver um protocolo de terapia fágica/depuração adequado para a descontaminação de bivalves. Os resultados proporcionarão informação sobre a viabilidade da utilização de fagos para controlo de bactérias patogénicas de bivalves durante a depuração. A possibilidade de inactivar estas bactérias com fagos sem qualquer risco para os bivalves e para o ambiente, torna a descontaminação mais segura e eficaz, reduzindo o tempo de depuração, e evitando a transmissão destes agentes infecciosos. O baixo custo da produção de fagos e a redução do tempo de depuração, acrescenta valor a esta nova tecnologia tornando-a atractiva para empresas e operadores da área.




Membros neste projecto

Financiamento do CESAM: