Caring about the future

DepurD – Sistemas de monitorização e descontaminação para a exploração sustentável de moluscos bivalves na costa portuguesa
Investigador Responsável - Amadeu Soares
Programa - Mar2020
Período de Execução - 2021-01-01 - 2022-09-30 (21 Meses)
Entidade Financiadora - EC - Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas
Financiamento Total - 426959 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro
Instituições Participantes
CESAM - Centro de Estudos do Ambiente e do Mar
GEOBIOTEC - Geobiosciências, Geoengenharia e Geotecnologias

Descrição do Projecto
O consumo de bivalves pode representar um risco para a saúde pública. A legislação obriga à classificação das zonas de produção e respetiva monitorização regular, de forma a assegurar a salubridade dos bivalves. A classificação destas zonas (A, B, C ou D) baseia-se na contaminação microbiológica fecal (teor de Escherichia coli e na presença ou ausência de Salmonela sp.) e teor em metais tóxicos (designadamente mercúrio, chumbo e cádmio). As zonas mais alarmantes são as de classe C e D: a comercialização de bivalves produzidos ou capturados em zonas C (não destinados à indústria de transformação), requere obrigatoriamente transposição dos bivalves para zonas A, um processo que não é economicamente viável; a apanha de bivalves em zonas D é proibida por lei. No entanto, estes critérios de classificação podem subestimar o risco que os bivalves podem representar para a saúde pública, isto porque a presença de outros contaminantes não é avaliada. Por outro lado, não têm sido desenvolvidos esforços, nem criadas as sinergias necessárias entre os profissionais do setor e centros e unidades de investigação, no sentido de melhorar os processos de depuração existentes, que estão em alguns aspetos obsoletos. Neste sentido, a Universidade de Aveiro tem desenvolvido, em conjunto com profissionais do setor e com o apoio do Programa Mar2020, projetos que pretendem otimizar a depuração de moluscos bivalves. Alguns resultados obtidos recentemente excederam as espectativas, tendo mudado o paradigma da depuração de bivalves, uma vez que foi possível a depuração de bivalves proveniente de zonas C, em 24h. Estes resultados permitiram-nos estabelecer objetivos mais ambiciosos, como base no conhecimento adquirido recentemente. Assim, o projeto DepurD tem como objetivos gerais desenvolver metodologias e otimizar processos que permitam a desintoxicação e depuração de bivalves, investigando a fundo a presença de contaminantes microbiológicos e químicos, persistentes e emergentes, designadamente em zonas de classe C e D. Pretende-se também modelar um sistema que seja capaz de determinar, através de técnicas de inteligência artificial e recolha de parâmetros em tempo real, indicadores fiáveis sobre a qualidade dos moluscos bivalves vivos para consumo humano. Os estudos vão incidir em 2 espécies com valor comercial (Ruditapes decussatus e R. philippinarum) provenientes da Ria de Aveiro, Lagoa de Óbidos, Estuário do Tejo, Estuário do Sado e Ria Formosa.




Financiamento do CESAM: UIDP/50017/2020 + UIDB/50017/2020 + LA/P/0094/2020