Building the future by doing more together

CETSENTI - Cetáceos como organismos sentinelas da saúde do meio marinho
Investigador Responsável - Catarina Eira
Programa - COMPETE
Período de Execução - 2013-07-01 - 2015-12-31 (30 Meses)
Entidade Financiadora - FCT
Financiamento para o CESAM - 174.112 €
Financiamento Total - 497.948 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro
Instituições Participantes
Faculdade de Medicina Veterinária - Universidade Técnica de Lisboa
Universidade do Minho
Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem (SPVS)
Coordinadora para o Estudo dos Mamíferos Mariños (CEMMA)





Os mamíferos marinhos são um grupo chave como sentinelas de perturbação do ambiente marinho, representando o estado geral e sanitário de outras espécies de níveis tróficos inferiores. Estudos de longa duração sobre estes predadores de topo de vida longa produzem informação sobre a exposição a xenobióticos e efeitos no ecossistema. No caso do roaz corvineiro e do boto, ambas as espécies estão incluídas no Anexo II da Directiva Habitats e assim, tanto Espanha como Portugal estão obrigados a definir e aplicar medidas de conservação para estas espécies, o que é dificultado pela falta de dados científicos.


Várias doenças emergentes, algumas com potencial epizoótico e zoonótico, têm patogénese complexa envolvendo vários cofactores (condição corporal, nível de contaminantes, genética e disfunção imunológica). Neste tipo de estudos nunca foi possível propor um desenho experimental típico, porque não podemos estimar o número de amostras a analisar ou definir populações controlo e tratadas, escolher a dose de exposição ou agente patogénico, ou controlar parâmetros ambientais.


Este projecto será o primeiro esforço sistemático para avaliação do estado da população em termos sanitários, não só para monitorizar os riscos das próprias populações mas também para podermos usá-las como sentinelas da saúde dos ecossistemas marinhos da bacia Atlântica da Peninsula ibérica. A abordagem metodológica, baseada na Medicina da Conservação, é inovadora uma vez que a amostragem dos mamíferos marinhos será baseada na aplicação do método clássico de organismo tratado versus controlo, numa tentativa de validar o uso do método epidemiológico para determinar níveis de efeitos potenciais nas populações de fauna marinha


 








Membros neste projecto

investigador
Catarina I. C. S. Eira
investigador responsável

investigador
investigador
investigador

Financiamento do CESAM: