Building the future by doing more together

ComPET- Efeitos ecotoxicológicos de microplásticos em ecossistemas dulçaquícolas.
Investigador Responsável - Ana Luísa Patrício Silva
Programa - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização (02/SAICT/2017)
Período de Execução - 2018-09-01 - 2021-08-31 (36 Meses)
Entidade Financiadora - FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia, within the PT2020 Partnership Agreement and Compete 2020 co-funded by the FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional
Financiamento para o CESAM - 239657 €
Financiamento Total - 239657 €
Instituicão Proponente - Universidade de Aveiro


A contaminação de ecossistemas dulçaquícolas devido à presença de microplásticos é um problema ambiental emergente. Os poucos estudos disponíveis sugerem que os seus efeitos ecotoxicológicos podem ser tão graves quanto os observados em ambientes marinhos. Além dos efeitos físicos relacionados com a sua ingestão, são também expectáveis respostas de stress devidas à libertação de componentes aditivos dos microplásticos. Por outro lado, estas partículas podem atuar como vetores de poluentes hidrofóbicos orgânicos persistentes, o que pode conduzir a efeitos ecotoxicológicos sinérgicos. Considerando a pouca informação disponível relativa aos ecossistemas dulçaquícolas, o projeto ComPET tem como objetivo principal identificar e compreender os efeitos adversos que os microplásticos poderão provocar nestes ambientes. Paralelamente, procurará esclarecer o papel dos aditivos e contaminantes absorvidos dos/pelos microplásticos, bem como a concomitante influência de stressores naturais (salinidade e temperatura) nas respostas dos organismos. Para atingir estes objetivos, serão avaliados parâmetros a nível celular (stress oxidativo, composição da membrana, metabolismo celular, respostas imunológicas, neurotransmissão), do organismo (mortalidade, alimentação, comportamento, locomoção, respiração, crescimento, desenvolvimento, regeneração), da população (reprodução) e ao nível das comunidades (efeitos na biomassa, taxas de decomposição de detritos e produção primária). A simulação de condições ambientais reais em laboratório e em mesocosmos (rios artificiais), a utilização de concentrações ecologicamente relevantes de microplásticos (considerando diferentes tipos e tamanhos), o uso de espécies-chave de ambientes dulçaquícolas com diferentes funções tróficas (detritívoros, trituradores detritívoros, predadores) e a avaliação de respostas a diferentes níveis de organização biológica, permitirão obter uma visão integradora acerca do real impacto ecológico associado à presença de microplásticos. O projeto ComPET conta com uma equipa experiente no ramo da ecotoxicologia, assim como em programas monitorização da qualidade da água e da presença de microplásticos. Os seus resultados fornecerão evidências científicas cruciais para a necessária adequação dos atuais programas de gestão e conservação dos sistemas de água doce e seus recursos naturais endógenos; que deverão passar pelo reforço de medidas de controlo e redução do uso, consumo e libertação de microplásticos, e na definição de estratégias de remediação.




Membros neste projecto
Ana Luísa Machado
Bolseira de Investigação
Carlos Gravato
Investigador
Carlos J. M. Silva
Investigador

Financiamento do CESAM: