HOME  »  Notícias
 
Workshop “Contribuições do CESAM para a valorização inteligente do mar”

24/01/2017

27 janeiro 2017, Anfiteatro do Edifício III da Universidade de Aveiro (edifício da antiga Reitoria)

No próximo dia 27 de janeiro, Anfiteatro do Edifício III da Universidade de Aveiro, irá decorrer o Workshop “Contribuições do CESAM para a valorização inteligente do mar”, destinado a todos os potenciais interessados do meio académico e empresarial. Este workshop será constituído 3 sessões temáticas, cada uma delas com três a quatro apresentações. No final do workshop será organizada uma Mesa Redonda para discussão da pertinência dos temas abordados e das oportunidades de financiamento e enquadramento nas áreas prioritárias do programa H2020, do Programa Operacional Mar2020 e da Estratégia de Especialização Inteligente do Centro RIS3 – Centro 2020.

Pretende-se com esta discussão promover a divulgação do conhecimento gerado no CESAM na área do Mar, o estabelecimento de eventuais parcerias e a divulgação das oportunidades de financiamento nesta área (Programa em Anexo).

Veados: depois de extintos há hoje mais de 3000 na região da Serra da Lousã - Programa de reintrodução do DBIO/CESAM travou a extinção

13/1/2017

Há mais de 3000 veados a viver em estado selvagem na Serra da Lousã e áreas envolventes. Descendentes de cerca de uma centena de animais reintroduzidos na Serra no final dos anos 90, numa altura em que a espécie estava extinta na Lousã desde meados do século XIX, o balanço da reintrodução, coordenada pela Unidade de Vida Selvagem (UVS) do Departamento de Biologia e CESAM da UA, faz deste um dos maiores êxitos nacionais e europeus entre os programas de fomento e conservação da biodiversidade.

Os biólogos envolvidos garantem que “o veado é hoje em dia, definitivamente, um ex-libris de toda a Serra da Lousã, tendo um forte potencial económico, cinegético e turístico”. Vinte anos depois “os resultados obtidos demonstram que a reintrodução de veados na serra da Lousã foi um sucesso, não só pela sua sustentabilidade biológica e ecológica, como também pelo número de efetivos e a área de distribuição atuais”, aponta Carlos Fonseca.

Mais informação:
http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=49097 />https://www.publico.pt/2017/01/13/ecosfera/noticia/na-serra-da-lousa-ha-mais-de-tres-mil-veados-programa-de-reintroducao-travou-extincao-do-animal-1758207

Entrevista a Olga Ameixa sobre o projeto RESTORE emitida na Antena 1

19/12/2016

Olga Ameixa, investigadora do DBio e CESAM e coordenadora do Projeto RESTORE, analisou o efeito das alterações climáticas nas zonas costeiras, nomeadamente nos efeitos da contaminação salina dos solos das zonas agrícolas do Baixo Vouga Lagunar. A reportagem foi emitida no dia 17 de dezembro de 2016, no programa Click, da Antena 1, integrado no programa "Dias do Futuro".

http://www.rtp.pt/play/p384/e265262/click (a partir do minuto 8)

Um maçarico campeão capaz de voar mais de 5500 quilómetros sem parar - Investigação de José Alves do Departamento de Biologia e CESAM

6/12/2016

Entre a Islândia e a África Ocidental, voam durante 5 dias e 5 noites mais de 5500 quilómetros sobre o Atlântico Norte sem uma única paragem e atingindo velocidades de ponta entre os 65 e os 86 quilómetros por hora. O feito é ainda mais incrível se se tiver em conta que, para além de não se alimentarem nem hidratarem, não planam durante toda a viagem. O recordista chama-se maçarico-galego e o estatuto de verdadeiro campeão olímpico é confirmado por José Alves, o biólogo da Universidade de Aveiro (UA), que num artigo publicado no último número na revista Scientific Report, desvenda a “surpreendente”, e até agora desconhecida, prova de resistência desta ave.

O artigo original pode ser visto em http://www.nature.com/articles/srep38154

Mais informação em:
http://uaonline.ua.pt/pub/deta.....mp;c=48679
http://www.wilder.pt/historias.....desta-ave/

Reportagem que o Porto Canal AQUI.


Estudante de Doutoramento do DBIO / CESAM nomeado embaixador da SETAC

5/12/2016

Diogo Cardoso, estudante do Programa Doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais da UA, foi nomeado embaixador da Society of Environmental Toxicology and Chemistry (SETAC). A nomeação aconteceu durante o XIV Congresso Brasileiro de Ecotoxicologia – ECOTOX 2016 que decorreu em Curitiba, no Brasil.

No seguimento nas atividades científicas orientadas por Susana Loureiro, docente e investigadora do DBIO e CESAM, e por Fred Wrona, professor da Universidade de Calgary (Canadá), no grupo de investigação applEE- Ecologia Aplicada e Ecotoxicologia, Diogo Cardoso tem participado em vários congressos organizados pela SETAC.

Neste âmbito, foi nomeado estudante embaixador da SETAC no ECOTOX 2016, e conjuntamente com Blair Paulik, representante dos estudantes SETAC Norte-Americanos, apresentaram aos alunos brasileiros a importância das atividades tripartidas da SETAC (academia-indústria-entidades governamentais).

Mais informações podem ser consultadas em:
http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=48635
http://globe.setac.org/2016/no.....udent.html
e no vídeo https://www.youtube.com/watch?v=9TmsZESNG4o

Estudo publicado na Nature com a participação de José Alves, Biólogo do DBio / CESAM

24/11/2016

Nota de imprensa da Nature: Comportamento animal: como partilham as aves limícolas as atenções parentais?

Quando se trata de partilhar responsabilidades parentais, as aves alteram o seu comportamento fazendo turnos para incubar os ovos, mas este comportamento varia consideravelmente entre espécies, segundo um estudo publicado na revista Nature. Na maioria dos casos estes turnos de cuidados parentais não se regem pelo ritmo circadiano determinado pelos períodos de luz (durante o dia) e escuridão (durante a noite) a cada ciclo de 24 horas, mas sim pela estratégia anti-predadora adoptada pelas diferentes espécies.

Os investigadores analisaram dados de 729 ninhos pertencentes a 32 espécies de aves limícolas, para perceber como estas aves são capazes de sincronizar as suas rotinas diárias para fazer turnos a incubar os ovos. Os padrões são altamente variáveis entre espécies, até mesmo quando as condições ambientais são similares. O período de cada turno de incubação pode variar entre uma e 19 horas consecutivas, existindo semelhanças nos padrões de espécies mais aparentadas. Segundo os autores, a forma como os pais sincronizam os seus ritmos diários parece estar associada à forma como estas aves protegem o seu ninho de potenciais predadores. Espécies que não escondem os seus ninhos e/ou activamente perseguem predadores têm turnos de incubação mais curtos, enquanto aquelas que usam uma estratégia de camuflagem têm turnos mais longos, aparentemente para evitar revelar a localização do ninho aos predadores.

A variação encontrada na sincronização destes ritmos sociais observados em aves selvagens é muito mais ampla do que a indicada pelos estudos em cativeiro e mostra que as relações sociais podem ser uma força determinante em certos comportamentos, sobrepondo-se aos ritmos circadianos.

Mais informação em:
http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=48390
https://www.publico.pt/2016/11/24/ciencia/noticia/aves-turnos-parentais-nao-dependem-da-fome-ou-do-frio-mas-do-perigo-1752269

Link para o artigo original na Nature: http://dx.doi.org/10.1038/nature20563

Researcher at CESAM / DBio, co-authored a paper recently published in The Lancet Infectious Diseases

23/11/2016

Adelaide Almeida, Researcher at CESAM/DBio, co-authored a paper recently published in The Lancet Infectious Diseases, a journal with an Impact Factor of 21.372 (5-Year Impact Factor: 19.297)

The work “Photoantimicrobials—are we afraid of the light?” provide a Personal View about the abusive use of conventional antimicrobial drugs, which have been assumed as miraculous cure-alls for the past 80 years, causing increasing antimicrobial drug resistance. As alternative, the authors raise awareness of novel photoantimicrobial technologies that offer a viable substitute to conventional drugs in many relevant application fields, and could thus slow the pace of resistance development. The authors discussed photoantimicrobials (light-activated molecules that act locally via the in-situ production of highly reactive oxygen species) and their uses and prospects for adoption as mainstream clinical antimicrobials in the fight against conventional drug resistance.

More details in: http://uaonline.ua.pt/pub/deta.....&lg=pt
Full paper: http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(16)30268-7

Researchers at CESAM/DAO, co-authored a Review paper listed in the Most Cited Atmospheric Research Articles

23/11/2016

Célia Alves and Ana Vicente, Researchers at CESAM/DAO, co-authored a Review paper listed in the Most Cited Atmospheric Research Articles published since 2011, extracted from Scopus

The paper “Research on aerosol sources and chemical composition: Past, current and emerging issues” provide a quantitative and predictive understanding of atmospheric aerosols, beginning with a historical perspective on the scientific questions regarding atmospheric aerosols over the past centuries, followed by a description of the distribution, sources, transformation processes, and chemical and physical properties as they are currently understood. This review outlines the major open questions and suggestions for future research priorities to narrow the gap between the present understanding of the contribution of both anthropogenic and biogenic aerosols to radiative forcing resulting from the spatial non-uniformity, intermittency of sources, unresolved composition and reactivity.

More details in the full paper: http://www.sciencedirect.com/s.....9512003237

Especialistas internacionais recomendam mais conhecimento sobre a pesca recreativa marítima

21/11/2016

É urgente conhecer melhor a pesca recreativa na costa Atlântica Ibérica através da recolha de dados ecológicos, sociais e económicos. Quem o afirma é um grupo de 40 especialistas internacionais, reunidos no I Workshop sobre a Pesca Recreativa no Litoral Ibérico Atlântico, a 11 e 12 de novembro, em Vigo (Espanha), entre os quais esteve a investigadora da Universidade de Aveiro, Cristina Pita (CESAM/DAO).

Os especialistas reunidos no I Workshop sobre a Pesca Recreativa no Litoral Ibérico Atlântico recomendam ainda aos responsáveis de diversos organismos representativos do sector que se construam pontes para fortalecer as relações entre agentes do sector, gestores, pesca profissional e ciência. Por outro lado, aponta-se a necessidade de um reforço do associativismo e da formação dos pescadores recreativos para incrementar iniciativas de colaboração com cientistas e diminuir os conflitos com outros utilizadores dos ecosistemas. Entre os conflitos enumerados, contam-se os conflitos com o turismo e com a pesca comercial.

O director Geral de Pesca da Junta da Galiza, Juan Maneiro, inaugurou o encontro, no qual participaram cientistas, membros de diferentes administrações, pescadores profissionais e recreativos, representantes de organizações não governamentais de ambiente e de outras organizações. Cristina Pita é investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), laboratorio associado da UA.

O workshop foi organizado pela Federación Gallega de Pesca Marítima Responsable y Náutica de Recreo, WWF-Espanha, Federación Gallega de Actividades Subacuáticas, International Forum for Sustainable Underwater Activities, universidades de Santiago de Compostela, Minho e Aveiro e contou com o apoio da Xunta de Galicia, da Confederación Española de Pesca Recreativa Responsable e Federación Galega de Confrarías de Pescadores..

Mais informação:
http://www.taller.verdeprofundo.net />http://uaonline.ua.pt/pub/deta.....

Investigadora do CESAM participa num Simposio na Coreia

11/11/2016

Ana Lillebø, investigadora do CESAM, foi convidada, pelo Instituto Marítimo da Coreia, a participar no ‘4th International Symposium and workshop on Marine Ecosystem Services and Marine Spatial Planning & Mangement’ que decorreu em Seoul.

Ao longo das últimas décadas, os países asiáticos têm vindo a estabelecer mecanismos legais e institucionais para o desenvolvimento sustentável. Neste sentido, por exemplo, o KMI (Korea Maritime Institute), em estreita colaboração com o PEMSEA (Partnerships in Environmental Management for the Seas of East Asia), tem organizado, desde 2013, workshops internacionais relacionados com a ligação sinergética entre os serviços de ecossistemas marinhos e os planos de ordenamento do espaço marítimo.

Neste simpósio, que decorreu nos dias 27 e 28 de outubro, especialistas convidados do Leste Asiático e de países ocidentais partilharam experiências ao nível da valorização dos serviços dos ecossistemas (SE) e do desenvolvimento de ferramentas para a gestão do espaço marítimo de forma a encontrar mecanismos que incorporem a valorizarão destes serviços nos mecanismos de gestão e planeamento do espaço marítimo com benefícios inequívocos para a sociedade global.